Ginástica artística: O Brasil foi bem, mas podia ter sido melhor

Assim como na canoagem de velocidade, o Brasil fez uma ótima campanha na ginástica artística. Afinal, como contestar a conquista de três medalhas, o maior número já alcançado pelo Brasil nessa modalidade em uma só edição dos Jogos? Mas a verdade é que minha previsão era um pouco mais ousada: eu apostei em quatro medalhas – duas de prata e duas de bronze. Ficou faltando esse segundo bronze.

Rio2016 MAG Qualification | Photo: RicardoBufolin/CBG

Na foto acima a equipe brasileira comemora o resultado na classificatória, com Arthur Nory (à esquerda), Sérgio Sasaki, Arthur Zanetti, Diego Hypolito e Francisco Barreto.

Arthur Zanetti e Arthur Nory foram minhas apostas que deram certo. Na verdade, Zanetti foi melhor do que eu esperava: conquistou uma prata em vez de um bronze nas argolas. O vencedor foi o grego Eleftherios Petrounias, que era mesmo favorito ao ouro. O mais cotado à prata era o francês Samir Aït Said, que quebrou a perna espetacularmente na prova do salto e se retirou da competição, “abrindo caminho” para Zanetti.

Já Nory ganhou um bronze e não uma prata, como eu esperava, e sua medalha veio no solo e não na barra fixa, sua prova mais forte. Acreditei que haveria uma dobradinha brasileira na barra fixa, com Nory em segundo e Sérgio Sasaki em terceiro. Mas a dobradinha veio no solo, com Diego Hypolito em segundo e Nory logo atrás. O ouro não ficou com o japonês Kenzo Shirai, o meu favorito, e sim com o britânico Max Whitlock.

Aliás, um parêntese para comentar o desempenho espetacular da Grã-Bretanha também na ginástica artística. O país ficou em segundo lugar no quadro de medalhas da modalidade, com dois ouros e uma prata, atrás somente dos EUA (quatro ouros, três ganhos por Simone Biles em provas individuais e um na prova em equipes), e à frente do Japão, que ganhou “só” dois ouros. Pior foi a China, de quem eu esperava dois ouros e que só levou dois bronzes.

United States' Simone Biles performs on the balance beam during the artistic gymnastics women's qualification at the 2016 Summer Olympics in Rio de Janeiro, Brazil, Sunday, Aug. 7, 2016. (AP Photo/Rebecca Blackwell)

Na ginástica feminina do Brasil eu previra uma prata para Jade Barbosa na trave. Mas ela se machucou na eliminatória e não pôde participar da final. A vencedora foi a holandesa  Sanne Wevers. A grande favorita Simone Biles (na foto acima) se desequilibrou na sua prova e ficou com o bronze, atrás também da compatriota Laurie Hernandez.

Meu percentual de acertos de resultados na ginástica artística foi muito bom, de 30,6%! E cravei também metade dos medalhistas.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s