Boxe: Nem nesse esporte Cuba domina mais; quem manda agora é o Uzbequistão

O único esporte em que Cuba ainda dominava era o boxe. Depois os últimos Jogos Olímpicos não é mais. O país que teve o melhor desempenho no Rio foi o Uzbequistão, com três ouros e duas pratas. Os cubanos vieram logo atrás, com três ouros, mas ficaram aquém da previsão feita por mim, que era de ganharem quatro ouros. Já o Brasil teve seu melhor desempenho no boxe na história, com uma medalha de ouro que eu não esperava.

robson

Para o baiano Robson Conceição (na foto acima), a luta chave no peso leve foi a semifinal contra o cubano Lázaro Álvarez Estrada, favorito ao ouro. Uma vitória por decisão unânime dos juízes o levou à final, quando bateu o francês Sofiane Oumiha, outro azarão.

Além de Álvarez Estrada, mais um cubano favorito ficou pelo caminho. Johanys Argilagos perdeu a semifinal do peso mosca leve para o colombiano Yuberjen Martínez Rivas, mais um azarão que acabou derrotado na final por Hasanboy Dusmatov, do Uzbequistão.

Outros dois cubanos confirmaram o favoritismo: Arlen López Cardona, no peso médio, e Julio César La Cruz, no meio-pesado. No peso galo Robeisy Ramírez Carrazana, que não estava entre os favoritos, foi a surpresa positiva da ilha.

Já o Uzbequistão, além do peso mosca leve, venceu no peso mosca (em que o país não estava entre os mais cotados para ganhar medalha) com Shakhobidin Zairov e no meio-médio, em que era favorito ao bronze, com Fazliddin Gabnazarov (na foto abaixo). O país levou também duas pratas – nenhuma delas prevista por mim.

2016 Rio Olympics - Boxing - Final - Men's Light Welter (64kg) Final Bout 272 - Riocentro - Pavilion 6 - Rio de Janeiro, Brazil - 21/08/2016. Fazliddin Gaibnazarov (UZB) of Uzbekistan celebrates after winning his bout.  REUTERS/Peter Cziborra

A França também me surpreendeu com duas medalhas de ouro – achei que não ganhariam em nenhuma categoria – e ficou à frente do Cazaquistão, que levou só um ouro. Dos cazaques eu esperava a vitória em pelo menos duas categorias. Mas a maior decepção foi a Irlanda. Favoritos a levarem dois ouros, os irlandeses não conquistaram nenhuma medalha, nem mesmo de bronze.

Apesar das surpresas, meu desempenho na previsão dos resultados do boxe ficou dentro da média: 23,1% de resultados certos e 48,1% de medalhistas.

Boxe: Pelo menos um ouro para os melhores de 2012

Veja a previsão atualizada de resultados do boxe na Rio-2016.

nicola-adams_2318958b

Depois de dominar o boxe em Londres-2012 com três ouros (um a mais do que Cuba), a Grã-Bretanha ficou perto de não conquistar nenhum primeiro lugar na Rio-2016 nesse esporte. Mas na última atualização do ranking mundial, no final do mês passado – provavelmente a última antes dos Jogos Olímpicos -, a britânica Nicola Adams (na foto aí em cima) assumiu a liderança do peso mosca (51kg).

Uma curiosidade é que as três boxistas que foram campeãs olímpicas em Londres-2012 devem vencer novamente no Rio. Além de Adams, campeã no peso mosca, a irlandesa Katie Taylor e a estadunidense Clarissa Shields são favoritas ao bicampeonato nos pesos leve e médio, respectivamente. O boxe olímpico feminino foi incluído nos Jogos pela primeira vez em Londres, mas por enquanto só é disputado em três categorias, contra dez do masculino.

A confirmação dos inscritos nas Olimpíadas e as mudanças no ranking feminino não mudaram o predomínio de Cuba (com quatro ouros), Cazaquistão (dois ouros e duas pratas) e Irlanda (dois ouros e uma prata).

Boxe: o único esporte em que Cuba ainda domina

Veja aqui os resultados do boxe na Rio-2016.

Lazaro-alvarez-estrada

A decadência esportiva de Cuba é de dar dó. Desde Sydney-2000 o país leva aos Jogos uma delegação com cada vez menos atletas e ganha cada vez menos medalhas. O único esporte em que os cubanos ainda são uma potência é no boxe. Eles vão levar quatro dos 13 ouros em disputa. Em seguida vem o Cazaquistão, com dois ouros, uma prata e um bronze, e depois a Irlanda, com dois ouros e uma prata.

Na foto o cubano Lázaro Álvarez Estrada, favorito na categoria peso leve das Olimpíada. Ele é tricampeão mundial amador e foi bronze no peso galo em Londres-2012.