Ciclismo de estrada: Se fosse um país, Van der Breggen ficava em primeiro

O nome da disputa do ciclismo de estrada na Rio-2016 foi Anna van der Breggen (foto). Sozinha, a holandesa conquistou mais medalhas do que qualquer um dos países participantes. Ela foi ouro na prova de corrida e bronze na contrarrelógio – eu tinha previsto que ela ficaria somente com a prata na contrarrelógio. A festa da Holanda ficou completa com a prata de Tom Dumoulin nesta disputa em que cada ciclista percorre o circuito sozinho e o que fizer o menor tempo ganha. Mais uma vez eu quase acertei: previ bronze para Dumoulin.

RIO DE JANEIRO, BRAZIL - AUGUST 07:  Anna van der Breggen of the Netherlands celebrates after winning the Women's Road Race on Day 2 of the Rio 2016 Olympic Games at Fort Copacabana on August 7, 2016 in Rio de Janeiro, Brazil.  (Photo by Patrick Smith/Getty Images)

A decepção ficou por conta da Grã-Bretanha. Foi uma das poucas modalidades (senão a única) em que os britânicos tiveram desempenho abaixo do esperado. Minha expectativa estava depositada em Chris Froome, número 1 do mundo e vencedor do último Tour de France, mas ele só levou um bronze na contrarrelógio. Já Elizabeth Armitstead, atual campeã mundial de corrida, saiu do Rio sem medalhas.

Já os EUA, de quem eu esperava o ouro, não decepcionaram. Mas em vez de Megan Guarnier, número 1 do mundo e favorita na prova de corrida, quem conquistou o título foi Kristin Armstrong na contrarrelógio.

Dois países que surpreenderam – nem estavam no meu provável quadro de medalhas – foram a Bélgica, com a vitória de Greg van Avermaet na prova de corrida, e a Suíça, com o ouro de Fabian Cancellara na contrarrelógio.

Meu percentual de acertos foi baixo. Cravei só um em 12 resultados – a prata da sueca Emma Johansson na prova de corrida. Dos medalhistas acertei 25%.

Advertisements

Ciclismo de estrada: De novo perto do paraíso

Veja aqui a previsão atualizada dos resultados da modalidade estrada do ciclismo na Rio-2016.

armitstead

No ciclismo de estrada duas atletas que já estiveram muito perto do topo do pódio olímpico vão bater na trave outra vez. A sueca Emma Johansson foi prata em Pequim-2008 e a britânica Elizabeth “Lizzie” Armitstead (foto) ficou em segundo lugar em Londres-2012. A previsão é que a sueca fique novamente com a prata na prova de corrida, enquanto a britânica não passe de um bronze.

A favorita ao ouro é a estadunidense Megan Guarnier, que nunca se destacou em Olimpíadas nem em Mundiais. Seus primeiros grandes resultados foram obtidos este ano, quando conquistou o Giro d’Italia e algumas provas tradicionais nos EUA.

Atual campeã mundial na prova de corrida, Armitstead correu sério risco de ficar fora das Olimpíadas. A imprensa britânica revelou recentemente que ela faltou a três testes antidoping que deveriam ser realizados fora de competição. A britânica chegou a ser suspensa preventivamente, mas acabou absolvida pela Corte Arbitral do Esporte. O caso foi criticado por vários ciclistas.

A entrada de Armitstead para o top-3 do ranking mundial, na última semana, tornou o Reino Unido favorito a ser o país com o melhor desempenho no ciclismo de estrada, já que outro britânico (Chris Froome, atual campeão do Tour de France) vai levar o ouro no na prova masculina de corrida.

Para chegar ao top-3 Lizzie ultrapassou a holandesa Anna van der Breggen, mais cotada a levar a medalha de prata na prova de contrarrelógio.

 

Ciclismo de estrada: ‘Montanhas’ do Rio darão ouro a britânico

Veja aqui a previsão atualizada dos resultados do ciclismo de estrada na Rio-2106.

froome-tour_2623159b

A prova principal do ciclismo de estrada na Rio-2016 não é nenhuma etapa de montanha do Tour de France, mas o circuito com subida na Floresta da Tijuca “assustou” o líder do ranking mundial, o sprintista eslovaco Peter Sagan, que preferiu disputar a prova do mountain bike, sua segunda especialidade.

Bom para o britânico Chris Froome, vice-líder do ranking, que se tornou favorito ao ouro olímpico. Esta semana ele conquistou o tricampeonato na Volta da França.

Além de Sagan, outra ausência importante no ciclismo de estrada será do espanhol Alberto Contador, que já venceu o Tour de France duas vezes. Quarto colocado no ranking, ele sofreu dois tombos fortes na última edição da volta francesa e abandonou a competição. Vai aproveitar o período das Olimpíadas para se recuperar.

E lá se foi a possibilidade de uma dobradinha espanhola no pódio, já que seu compatriota Alejandro Valverde é favorito à prata. O bronze agora vai para o francês Romain Bardet.

No feminino, a líder do ranking, a estadunidense Megan Guarnier, está confirmada. Os favoritos às provas de contrarrelógio também estão dentro: são o bielorrusso Vasil Kiriyenka e a neozelandesa Linda Villumsen.

Atualização em 28/7

Acabei de ser alertado por um leitor, que infelizmente não se identificou, que Peter Sagan não vai disputar as Olimpíadas, apesar de estar inscrito. Ele preferiu correr a Volta à Espanha, que começa no mesmo dia da prova olímpica do mountain bike. Obrigado, leitor anônimo. E da próxima vez não precisa ficar tímido. Pode se identificar!

Ciclismo de Estrada: a Espanha encosta

Veja aqui as previsões do ciclismo de estrada para a Rio-2016.

Alberto-Contador-Alejandro-Valverde

No último mês dois experientes ciclistas espanhóis entraram no top-3 do ranking mundial. Alejandro Valverde, que já foi campeão da Volta à Espanha, tornou-se favorito à prata olímpica. O bronze deve ficar com Alberto Contador, bicampeão do Tour de France e do Giro d’Italia e tri da Volta à Espanha. Eles desbancaram no ranking o colombiano Nairo Quintana e o suíço Fabian Cancellara.

Na foto acima estão os dois espanhóis lado a lado (Contador é o da esquerda).

O favorito ao ouro continua sendo o tcheco Peter Sagan, considerado o melhor sprintista do Tour do France nos últimos quatro anos.

megan-guarnier

No feminino a estadunidense Megan Guarnier (na foto acima) é a mais forte candidata à prata e a holandesa Anna van der Breggen ao bronze – ela também é favorita à prata na prova de contrarrelógio. A líder do ranking continua sendo a sueca Emma Johansson.

Não é possível apontar o favoritismo de um país específico. Para se ter ideia se as provas principais serão conquistados por um tcheco e uma sueca, nas contrarrelógios ficarão com um bielorrusso e uma neozelandesa.

Como não existe um ranking mundial só de contrarrelógio, para essa prova considerei os resultados do último Campeonato Mundial, disputado no ano passado nos EUA.