Ginástica artística: O Brasil foi bem, mas podia ter sido melhor

Assim como na canoagem de velocidade, o Brasil fez uma ótima campanha na ginástica artística. Afinal, como contestar a conquista de três medalhas, o maior número já alcançado pelo Brasil nessa modalidade em uma só edição dos Jogos? Mas a verdade é que minha previsão era um pouco mais ousada: eu apostei em quatro medalhas – duas de prata e duas de bronze. Ficou faltando esse segundo bronze.

Rio2016 MAG Qualification | Photo: RicardoBufolin/CBG

Na foto acima a equipe brasileira comemora o resultado na classificatória, com Arthur Nory (à esquerda), Sérgio Sasaki, Arthur Zanetti, Diego Hypolito e Francisco Barreto.

Arthur Zanetti e Arthur Nory foram minhas apostas que deram certo. Na verdade, Zanetti foi melhor do que eu esperava: conquistou uma prata em vez de um bronze nas argolas. O vencedor foi o grego Eleftherios Petrounias, que era mesmo favorito ao ouro. O mais cotado à prata era o francês Samir Aït Said, que quebrou a perna espetacularmente na prova do salto e se retirou da competição, “abrindo caminho” para Zanetti.

Já Nory ganhou um bronze e não uma prata, como eu esperava, e sua medalha veio no solo e não na barra fixa, sua prova mais forte. Acreditei que haveria uma dobradinha brasileira na barra fixa, com Nory em segundo e Sérgio Sasaki em terceiro. Mas a dobradinha veio no solo, com Diego Hypolito em segundo e Nory logo atrás. O ouro não ficou com o japonês Kenzo Shirai, o meu favorito, e sim com o britânico Max Whitlock.

Aliás, um parêntese para comentar o desempenho espetacular da Grã-Bretanha também na ginástica artística. O país ficou em segundo lugar no quadro de medalhas da modalidade, com dois ouros e uma prata, atrás somente dos EUA (quatro ouros, três ganhos por Simone Biles em provas individuais e um na prova em equipes), e à frente do Japão, que ganhou “só” dois ouros. Pior foi a China, de quem eu esperava dois ouros e que só levou dois bronzes.

United States' Simone Biles performs on the balance beam during the artistic gymnastics women's qualification at the 2016 Summer Olympics in Rio de Janeiro, Brazil, Sunday, Aug. 7, 2016. (AP Photo/Rebecca Blackwell)

Na ginástica feminina do Brasil eu previra uma prata para Jade Barbosa na trave. Mas ela se machucou na eliminatória e não pôde participar da final. A vencedora foi a holandesa  Sanne Wevers. A grande favorita Simone Biles (na foto acima) se desequilibrou na sua prova e ficou com o bronze, atrás também da compatriota Laurie Hernandez.

Meu percentual de acertos de resultados na ginástica artística foi muito bom, de 30,6%! E cravei também metade dos medalhistas.

Advertisements

Ginástica artística: Ausência de turco dá mais uma medalha ao Brasil

Veja aqui a previsão atualizada dos resultados da ginástica artística na Rio-2016.

22/05/2016- Copa do Mundo de Ginástica Artística, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. O ginasta Sérgio Sasaki ganha ouro na barra fixa. Foto: Paulo Pinto/ Fotos Públicas

A confirmação dos inscritos na ginástica artística causou algumas mudanças nas minhas previsões. A principal delas para nós, brasileiros, é que o paulista Sérgio Sasaki (foto) se tornou o mais forte candidato ao bronze na barra fixa, atrás do japonês Kohei Uchimura e de outro brasileiro, Arthur Nory.

Cá entre nós será uma grande zebra se Sasaki ganhar mesmo o bronze. Ele nunca foi apontado como um dos favoritos a essa prova. Seu maior feito até hoje foi ter se tornando o brasileiro melhor colocado no individual geral de uma Olimpíada: décimo em Londres-2012.

Mas pelos critérios que utilizei para elaborar meu ranking ele ficou em quarto lugar. Como o terceiro colocado, o turco Umit Samiloglu, não se classificou para a prova – a Turquia conseguiu somente uma vaga na Olimpíada, que ficou com outro ginasta -, Sasaki acabou “herdando” o bronze. Seu grande feito no último ano foi vencer a etapa brasileira da Copa do Mundo derrotando dois ginastas que foram à final do último Mundial: o próprio Nory, quarto colocado naquela competição, e o alemão Andreas Brettschneider, que ficou em quinto lugar.

Com esse bronze de Sasaki, o Brasil chegará a quatro medalhas na ginástica: prata de Nory na barra fixa e de Jade Barbosa na trave; e mais o bronze de Arthur Zanetti nas argolas – o que dará ao país a oitava colocação no quadro de medalhas da modalidade.

fan

Outra mudança importante nas previsões foi que a Rússia perdeu um ouro nas barras assimétricas. No Mundial do ano passado houve um empate quádruplo nessa prova. Duas russas, uma chinesa e uma estadunidense dividiram o primeiro lugar. Mas uma das russas, Viktoria Komova, não foi inscrita na equipe da Rio-2016.

Na foto acima está a chinesa Fan Yilin, uma das três ginastas que deve conquistar o ouro nas barras assimétricas.

Com isso a Rússia deve conquistar “só” dois ouros, atrás da China, que terá dois ouros e uma prata. O domínio no Rio será dos EUA (atual campeão mundial por equipes feminino), com cinco ouros, e do Japão (atual campeão mundial por equipes masculino), com quatro ouros.

Ginástica artística – Jade e Nory serão os destaques do Brasil

A última etapa da Copa do Mundo antes das Olimpíadas foi disputada no fim de semana passado, na Turquia, e não houve mudança nas minha previsões: o Brasil levará duas pratas – com Jade Barbosa na trave e Arthur Nory na barra fixa – e um bronze, com Arthur Zanetti nas argolas. Na elaboração das previsões privilegiei os resultados do Mundial do ano passado e esses três foram únicos atletas brasileiros que se classificaram para as finais daquela competição.

jade

Jade (na foto aí em cima) terminou o Mundial em 12o. lugar, mas em seguida venceu uma etapa da Copa do Mundo, na Croácia, o que valeu para lhe dar a prata nas previsões.

Já Nory ficou em quarto lugar no Mundial – foi o melhor brasileiro na competição – e também conquistou ouro na Copa do Mundo da Croácia.

Zanetti, atual campeão olímpico das argolas, ficou só em nono no Mundial, mas conquistou duas etapas da Copa do Mundo desde então (na Croácia e e no Brasil). Ele aparece como candidato ao bronze porque a prata já deve ser do francês Samir Aït Saïd, que foi quarto no Mundial e venceu a Copa do Mundo em Portugal.

A estrela maior da ginástica nas Olimpíadas promete ser a estadunidense Simone Biles, que conquistou quatro medalhas de ouro no último Mundial. O japonês Kohei Uchimura, que levou três ouros, será outro destaque.

Veja aqui a previsão final de resultados da ginástica artística.

Ginástica artística: Brasil sem ouro, mas com três medalhas

Veja aqui a previsão de resultados da ginástica artística na Rio-2016.

ait said

Na última etapa da Copa do Mundo, realizada no fim de semana passado, em Portugal, o Brasil teve uma má notícia. O francês Samir Aït Saïd (na foto aí de cima) conquistou a prova das argolas e se tornou favorito à prata nesse aparelho no lugar do brasileiro Arthur Zanetti, atual campeão olímpico. No Mundial de 2015 Aït Saïd terminou em quarto lugar, enquanto Zanetti foi o nono colocado.

O Brasil não vai ter ouros no Rio, mas pelo menos conquistará um número recorde de medalhas na ginástica. Além do bronze nas argolas, ganharemos a prata na barra fixa com Arthur Nory e a prata na trave com Jade Barbosa.

A previsão final da ginástica artística sai neste fim de semana, em que será disputada a etapa da Copa do Mundo da Turquia, a última antes das Olimpíadas.

O domínio no Rio será dos EUA, com cinco ouros, seguido do Japão, com quatro ouros, e da Rússia, com três.